sábado, 11 de outubro de 2008

era uma vez [intro]

Eu devo ter alguma 'tara'/'atração' por coisa dificil ou assim ao acaso.Tanto que quando acontece eu fico 1/2 paranóica. Bom, mas eu tenho uma dessas historinhas pra contar. Nesse vai e vem de carros, viagens (literalmente) de ônibus pra lá e cá, é comum encontrar alguns estranhos que depois de alguns segundos já não parecem tãaaao estranhos assim. Algumas dessas pessoas, velhas, novas, crianças até, de algum jeitinho meio brasileiro ("jeitinho normal de ser" by Rafael) te convidam um pouco a conhecer suas vidas e quando isso acontece comigo de forma sincera eu fico eternamente grata. Pode parecer ingenuidade, mas eu acho bonito isso nas pessoas esse "ceder 5 min do seu tempo e do nosso para conversar com alguém que nunca havia visto".Anda acontecendo bastante disso comigo, talvez porque eu passe o dia inteiro vendo pessoas ou porque eu ando enxergando-as de outro jeito, um jeito diferente. Em uma dessa ocasiões encontrei alguém e ultimamente tenho torcido demais para que encontre novamente. E como é mesmo aquela história de "espere o inesperado"? Caí na armadilha. Esqueci de perguntar o nome dele, mas sei idade, naturalidade, o que faz no senac...E não é porque eu investiguei (até parece), mas sim porque a conversa fluiu tão bem que até comentamos além do que 5 min. Só sei que nenhum dos dois falou tchau e sim um tímido "até logo".

3 comentários:

Lucas disse...

uhn, sua tarada por histórias que tem inicio de um acaso :)

japa. disse...

nhaaa, pena que são as histórias mais dificeis! :$

Ivan S. Ferreira disse...

Nossa! Eu entendi completamente o que você falou. Adoramos as biografias das pessoas comuns. Adoramos montar histórias reais com pessoas reais. É uma ótima sensação. Pena que a timidez me impeça de curti-la mais vezes.