sábado, 13 de dezembro de 2008

era uma vez pt II

talvez a graça da vida esteja no jogo de encontrar e de desencontrar
te encontrar sem esperar, sem sonhar que era você
e sem ser acabei sendo tão descuidada em não falar
e confiar que mais uma vez em algum lugar te acharia, totalmente sem querer.
ingenuidade em confiar no acaso, já que acaso pode não acontecer
esse meu lado puro clichê, me trai toda vez que te encontro
não mais desse lado da vida rotineira de ser, mas em algum pensamento profundo, em alguma lembrança repetida de ver
o que acontece que por essas ruas já não passa?
vaguei por vezes fingindo não querer, mas só querendo te encontrar,
e por essas vezes nunca mais te reencontrei.
preciso perder a mania de escrever a minha vida sobre acasos, como se fosse roteiros de uma peça de teatro
e o que vai ser[?], se é que vai, e se não for, um dia foi. breve.

2 comentários:

Samuel Moreira disse...

Amanda!!!!Que confusão ein!!Parece eu...rsrs

Claudia disse...

É isso aí.Muito bom!