quinta-feira, 27 de novembro de 2008

clichê.

Eu sei que estou remoendo meu blog com isso, mas é que não pensava que era tão difícil. O "errado" é que a gente se acostuma com os horários, com os rostos, com as vozes...E sem querer acaba por criar uma imagem que aquilo é pra sempre. Na verdade não é uma imagem de que é pra sempre, mas algo do tipo: "eu sei que isso aqui vai acabar, mas não procuro pensar no fim". E acho que esse é mesmo o certo, não procurar visualizar tanto assim o "fim". Não é também um fim, mas é estranho, sempre (até aqui) tivemos a certeza de que ano que vem estaríamos de volta para mais um ano. Agora já não temos isso. Não nesse cenário. E é tão estranho, triste e ao mesmo tempo alegre, uma saudade esquisita...
Talvez seja um erro, mas por um lado eu vejo a vida em capítulos. Todo "ano-novo" é um capítulo. Esse ano não foi diferente, quer dizer, foi beeeeem diferente. Eu posso dizer que me saí até que bem, que conquistei minhas primeiras vitórias e realizações, pequenas, mas ainda sim vitórias e realizações. Posso dizer que encontrei muitas pessoas novas e que se tornaram especiais, que me adicionaram coisas boas e momentos felizes na minha vida e que certamente estarão na minha lembrança. Aprendi o valor de se criar novas amizades (seja com pessoas da minha idade, ou não), reforçar as antigas e criar espaço para futuras. A ter responsabilidade e a pensar mais antes de agir. Aprendi a ver o outro lado das pessoas, a respeitar mais e ser mais paciente. Mas os dias vão passando e eu sei que vai ser inevitável não sentir uma pontinha de tristeza, um nó na garganta. Entretanto e concluindo só tenho que agradecer e valorizar todos esses bons momentos e pessoas que encontrei. "Celebrar a vida é somar amigos, experiências e conquistas".

2 comentários:

Claudia M. F. disse...

Entendo um pouco do que você diz, cortar o cordão umbilical é muito difícil e nem sempre é da nossa família, muitas vezes são das coisas que estamos habituados. Como seres humanos(pelo menos a maioria) não gosta muito de mudança. Como pode ver muitas coisas dessa fase você soube aproveitar e isso é muito bom. Um dia quando sai de uma situação dessa, eu me sentia infinitamente triste e após algum tempo, eu voltei lá nesse local e vi que não era mais a mesma coisa e que não adiantava mais estar ali, foi bom enquanto durou e jamais será do mesmo jeito novamente.

japa. disse...

Pois é, é uma sensação estranha. E o novo com certeza causa um certo pânico, porque é simplesmente "novo" Que ironia.
Aaah e você não sabe...A proposta de redação era: "NO QUE O JOVEM DEVE SE CONCENTRAR NA HORA DA ESCOLHA?"

E obrigado viu?
Muito daquela conversa foi de pura inspiração.E olha o título (bem original): "O DESAFIO DA ESCOLHA!"