domingo, 3 de agosto de 2008

Clarice Lispector já dizia: 'se há direito ao grito, então eu grito'.Faço o mesmo aqui agora, em formas simples e miúdas em vista de tanta ignorância que cerca este meu amado país.E eu amo mesmo meu país viu?Amo muito.Levo em conta que somos um país jovem, mas me deixa triste tanta indiferença quanto à coisas que realmente precisam ter valor e não tem.Acho um absurdo Bolsa Família.Embora haja quem precise, há muita defasagem em torno desse assunto.
Há uma dependência, e toda dependência é sinal de comodidade.Vou expor meu ponto de vista, mas primeiro analise bem a definição do Bolsa Família dado no Wikipédia, a enciclopédia livre (diga se de pasagem):O Bolsa Família é um programa de bem-estar social desenvolvido pelo governo federal brasileiro em 2003 para integrar o Fome Zero. Consiste-se na ajuda financeira às famílias pobres e indigentes do país, com a condição de que estas mantenham seus filhos na escola e vacinados. O programa visa reduzir a pobreza a curto e a longo prazo através de transferências condicionadas de capital, o que, por sua vez, visa acabar com a transmissão da miséria de geração a geração.Agora me diga, acontece?Teoria é uma coisa, prática é outra, eu sei.Mas por trás de uma intenção bonita em acabar com a miséria, há também mil e um fatores que de bonito não tem nada.Acontece até mesmo por parte dos usuários que integram o programa social.O objetivo é acabar com a transmissão da miséria de geração a geração, a miséria é mesmo uma doença, mas na sua maioria a transmissão acontece também (e muito) por parte de quem deveria "sair" dela.O que falta é estímulo para com estes cidadãos miseráveis que se deixam enganar ou se fazem de esperto vivendo às custas de beneficios o resto da vida, se acomodam, e viram os parasitas.O que eu defendo é o investimento em educação e conhecimento para todos, desde de cedo.Não basta inserir milhões de brasileiros em bolsas disso ou daquilo para acabar com a miséria, sem investir em desenvolvimento, em acesso às coisas que realmente tem futuro.O que falta é a preocupação em formar bons cidadãos, instruídos e competitivos (ninguém vê a crise de mão de obra qualificada?).De geração em geração o pensamento que se segue é o de que receber Bolsa disso e daquilo é direito do cidadão, mas ninguém percebe que o que eles tem direito de verdade, saúde, educação, infra-estrutura e etc., é pouco lembrado junto com as grandes promessas feitas antes da eleição.

Um comentário:

Ariana disse...

Política assistencialista é um jeito de manter as coisas como estão, sem gerar conflitos, né?
Bem mais fácil do que apelar pra base da p*@#$ da educação e da saúde.
Concordo com tudo que você disse, adoro o jeito que você escreve menina!
Beeijo